Histórias da Gina parte 3....

A Cecília se lembra de uma 'perua' muito bonita que imitava madeira, que a Gina acredita que era do tio Angelo (pai da Cecília), de 1931. O primeiro carro do tio Berto foi um Ford 29, todo reformado, “parecia novo”. Segundo a Gina, o do tio Angelo era “mais chique”. O carro 29 teve que ser totalmente reformado. Pintura da lataria e capota do teto, pois não era de metal. Ela se lembra que, quando eles voltavam da avó dela, dona Pura (que era mãe da tia Neide), o carro passava pelos trilhos da Sorocabana e, na rua XV de Novembro com a avenida Armando de Salles Oliveira, o motor morria. E sempre coincidia com o término do filme que passava no Cine Palácio (onde hoje funciona a Igreja Universal). Gina conta que era o maior “mico” descer e empurrar o carro no meio das pessoas.... (risos)
Certo dia, Roberto - que era dos poucos que tinha carro na família, ia levar a nona Maria (no médico ou no Hospital). Qdo já estava na Avenida Independencia, bateu o carro - ou bateram nele. Mas Gina tem a lembrança da nona Maria sendo carregada pelo tio Berto, que a levou de volta para casa. No verão, o calor era insuportável e ninguém tinha ventilador. O quarto da nona Maria era na frente da casa. Gina conta se lembrar que a nona falava que a cortina estava completamente parada porque não tinha nenhum vento para refrescar o quarto.
Tia Roselis adorava panqueca. Quem fazia era tia Adelina. Roselis ajudava com algum ou alguns ingredientes e a tia Adelina mandava uma parte da panqueca pronta para Roselis e família.

Comentários

Cacá disse…
Estou dizendo para a minha família, que acho que vamos ter que passar uns tempos pós pandemia que teremos que levar uma vida bem simples e modesta como foi a vida dos nossos avós. Sem viagens, sem consumismo, procurando ser feliz com pouco ... Reunir a família aos finais de semana com a alegria que já vc conhecemos... Vida simples pelo nosso planeta e por nossa saúde! 🙏🙏😍😍

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

Sem data

Meu pai