A filha está de volta

Fiquei mais de quatro meses sem postar nada porque sofri um acidente. Caí de uma altura bem pequena, mas o estrago foi grande: cinco fraturas (dois pulsos, um tornozelo e duas no nariz), além de uma trombose dias depois das cirurgias nos dois pulsos. Em todos os momentos minha mãe estava comigo. Caída no chão, quebrada, ensanguentada e esperando o Samu, eu só pensava "Mãe, me ajude". E lembrei que ela dizia que dor nenhuma deve ser desperdiçada. "Devemos sempre oferecer as dores, sejam grandes ou pequenas, físicas ou espirituais". Era mais ou menos isso que ela dizia. Então, ali caída, com dores que nem consigo explicar, eu fechei os olhos e disse para Jesus que eu oferecia aquelas dores pelas almas necessitadas, pelos doentes que sofriam, por quem estaria passando para o outro lado naquele momento. E Deus não me abandonou. Em nenhum momento. Essa lição foi valiosa para que eu passasse pelo calvário que foram muitos dias. Eu tive anjos - e a Clara foi o maior deles - que me ajudaram, meu filho que estava sempre por perto, meus amigos que não me deixaram sozinha (a casa sempre estava cheia de visitas). Mas eu senti muito a falta dela, da minha mãe. Nos momentos mais difíceis, eu sentia ela me olhando, intercedendo por mim. Minha mãe era uma pessoa demais de especial e transcrever aqui algumas de suas cartas é uma forma de homenagem, mas não chega aos pés de tudo o que ela merece. Logo retorno às postagens.

Comentários

Unknown disse…
com certeza,Ude.Ela esta sempre do nosso lado!!!que bom que vc voltou!!!! obrigada!!!! beijinhos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990