Sempre protegida...

“Reza a lenda” (entre aspas porque é verdade) que, quando minha mãe estava grávida de mim, teve uma depressão porque a Tali teve rubéola e ela ficou com medo que passasse alguma coisa para o feto. Ela mesma me contou que ficou alguns meses sem falar, quando queria alguma coisa, batia palmas. Passava o dia sentada numa cadeira de balanço. “E como isso passou, mãe?”, perguntei. Ela disse que, lá pelo final da gravidez, encontrou uma mulher negra na rua e contou pra ela sua história (ela não conhecia essa pessoa). A mulher disse: “Fique tranquila que isso vai passar”. E passou. O que não passou foram algumas experiências que tive com mulheres negras. Primeiro que, um dia à noite, eu vi uma mulher na soleira da porta do meu quarto. Era negra. Me cobri com o lençol porque fiquei com medo, pois sabia que não era uma pessoa, mas um espírito, alma de outro mundo, ou sei lá o que. Anos mais tarde, quando eu devia ter uns 19 anos, tive uma crise de apendicite e fui operada em caráter de urgência. Não sei se a anestesia teve alguma efeito ruim, mas me lembro de estar no quarto do hospital com a minha mãe e eu estava muito agitada... Aí entrou uma senhora negra, falou comigo calmamente: “Calma, calma, você vai dormir, fique calma...” e eu dormi. No dia seguinte, eu disse pra minha mãe “Que bom que aquela mulher veio aqui, me fez tanto bem que eu dormi”. Minha mãe perguntou: “Que mulher?” E eu respondi, “Aquela senhora negra, vestida de branco”. E ela me falou que não tinha entrado ninguém no quarto durante a noite. A mais recente foi em fevereiro de 2017. Tive que passar por uma cirurgia meio complicada e eu estava muito nervosa porque meu medo era ficar sozinha na sala de recuperação. A Clara estava comigo no quarto e nós rezamos juntas, para que o Anjo da Guarda não saísse do meu lado. Quando cheguei no centro cirúrgico, uma enfermeira negra veio até mim e disse: “Meu nome é (esqueci o nome) e eu vou ser seu ANJO DA GUARDA aqui. Ficarei até você ir pro quarto. Vou cuidar para que você não fique exposta e vou ficar na sala de recuperação junto”. Incrível, né!

Comentários

Cacá disse…
Acho que era Nossa Senhora Aparecida disfarçada nessas mulheres ... Só pode ser ... Mamãe era muito devota dela!!! Lindas recordações, 🙏🙏❤️❤️

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990