19 de julho de 1991 (continuação da carta de 17 de julho)

Tata querida, vou reiniciar a carta. São 5,30 da manhã e hoje é o último dia da Mariápolis e eu devo tomar o ônibus de linha para Campinas porque não teve carona. Vou acompanhar Araci Sturion. Vou contar um pouco agora de casa. Ude conseguiu um estágio no Banco do Brasil até terminar a faculdade. Ganha 50,00 por mês. E continua trabalhando à tarde na escolinha e estuda à noite. Está muito feliz. Levanta às 6 da manhã todos os dias. Gigi está conseguindo um estágio na faculdade. E está querendo sair da Orquestra de Ribeirão Preto. Não sei o que ela vai resolver. Walter está estudando muito para gravar uma fita para tentar fazer a pós-graduação nos EUA. Wilson e Ana montaram um apartamento em Capitólio, mas conservam a casa na fazenda. E estão pretendendo fazer a casa em Capitólio, já compraram o terreno. É um lugar bem alto que tem uma vista maravilhosa. Junior continua em Campinas e trabalha no Hospital Psiquiátrico de Souzas. E a Cenise também tem uma ótima colocação na Prefeitura de Campinas. As meninas estão em excelente escolinha. Clara está em Pira mesmo e não conseguiu ir para Salvador. Então a viagem nossa para Loppiano está agora distante. Mas não perdemos a esperança. Marcos e Maria Helena venderam a parte deles da fazenda que tinham com o Wilson. Wilson comprou. E Marcos comprou um pequeno sítio em Holambra e já começou a cultivar a terra para plantar bananas. Os holandeses ficaram contentes. Sexta-feira passada, Marcos e família vieram para Pira buscar a Romilda – irmã da Maria Helena, as crianças dela e a dona Yolanda para levá-los à Holambra. Porque a semaa que vem vai ter jogos esportivos de 6 colônias holandesas na Holambra do Marcos. Chegaram sexta à noite. Na manhã de sábado, dona Yolanda, você sabe que ela tinha problemas seríssimos de coração. Mas estava bem. Alegre. Estava tomando café com 5 netinhos. Teve um mal súbito e faleceu. Foi muito desagradável. Levaram-na até o Hospital de Holambra, mas não teve jeito. Procuramos fazer tudo o que pudemos por eles. Maria Helena estava inconformada. Agora ela está melhor. Consegui até um padre para fazer uma celebração na hora do enterro. Deu muito conforto para eles. Reze para eles. Desculpe que eu me alonguei na notícia, mas nós estimávamos muito a dona Yolanda. Sempre que tinha almoço grande, ela participava e gostava muito. Domingo, depois do enterro, fizemos um almoço grande para a família da Maria Helena. E uma tia dela me falou: “Parabéns pela família, em São Paulo não se vê família assim” (grande, talvez). Seus tios estão todos bem. Tio Antenor não melhorou nada da vista. Operou a outra vista, mas continua enxergando muito pouco. Tivemos a Festa das Nações no Engenho Central. Eu não fui, mas disseram que foi ótima. Este ano vai ter novamente o concurso Jovens Instrumentistas na Escola de Música. Estou muito feliz porque estou participando da Mariápolis em Campinas. Vou e volto todos os dias. A menina de Assis mandou um abração para você (é a menina do sorvete). Ela está muito feliz cantando no conjunto. A Cristina do Focolare da Evanilde também mandou um abração para você. Se eu não tivesse ido à Manaus, teria visto Chiara, mas é preciso saber perder. Fico feliz porque ela comeu torta de maçã que eu fiz para ela. Porque contaram para ela quem tinha feito a torta. Porque ela recebeu tantos e tantos presentes, muitíssimos doces. Mas ela não comia porque não sabiam quem tinha feito. Eu ia fazer docinho de banana, então a Angelica Meirelles pediu que eu fizesse a torta. Eu coloquei manteiga da Agronomia (pura) e diminuí o açúcar da massa e não coloquei açúcar por cima. No Jornamento (não assisti) contaram que ela comeu. Para mim é uma felicidade. A viagem de Chiara ao Brasil foi maravilhosa para nós brasileiros. Chiara pode sentir um pouco da nossa realidade quando viajava do aeroporto até Mariápolis Araceli. Sentir o contraste da grandeza de São Paulo (uma floresta de arranha-céus, como ela disse no vídeo) com a pobreza dos barracos. Então ela teve uma intuição: numa sexta-feira, chamou todos os 'capo zonas' no sábado para falar para eles e, no domingo, já falava dessa nova ideia para mais de 500 gens na Mariápolis Araceli. É ideia dela que se comece a fazer indústrias, empresas, fábricas de algumas coisas, e que o lucro seja repartido entre patrões e empregados. Que se comece primeiro pelo pessoal do Movimento e depois vá se alastrando até atingir o mundo todo. Essa é a contribuição de Chiara para o Brasil. Esse vídeo que vimos ontem, deixou-nos maravilhados. Chiara fala de uma tal forma, que pareceu-nos nunca tê-la visto assim, tão empolgada. Eu participei de +ou- 2/3 da Mariápolis (no salão), então não sei contar muita coisa. Só sei que no dia do Ecumenismo, teve culto ecumênico na Capela do Colégio onde era realizada a Mariápolis. Participaram 26 evangélicos que vieram de Botucatu. O senhor japonês, responsável deles, disse no palco da Mariápolis que gostaria que, na Igreja deles, fossem todos como os mariápolis (?), todos com o rosto de Chiara. O que mais o impressionou, foi o sorriso. Todas as pessoas tinham o rosto de Chiara. E essa realidade ele quer levar para a Igreja dele. Apesar de ele ter dito ser muito difícil, porque os japoneses são muito fechados. A Mariápolis foi maravilhosa. Agradeço ao Senhor por ter participado dela. Logo após Chiara ter colocado a ideia das empresas, já algumas pessoas foram se movimentando e já vão começar a funcionar 2 fábricas na Mariápolis Araceli: de malhas, pijamas, abrigos e camisetas. Já compraram terreno e algumas máquinas. E estão surgindo muitas colaborações para isso. Esse movimento chama-se 'Bomba'. Uma gen de 10 anos disse que o pai tem criação de porcos e ela ganhou um. Então ela vai vendê-lo e dar o dinheiro para a 'bomba'. E assim a 'bomba' continua estourando em todos. Na Mariápolis, uma senhora, jovem, ofereceu suas joias de estimação. Ontem à tarde, quando cheguei da Mariápolis, liguei para a Maria Helena e ela me contou que está grávida. Fiquei superfeliz. Hoje eles deverão chegar depois do almoço para a missa de dona Yolanda que será à noite, no Bom Jesus. Vou falar de Pira. O prefeito está fazendo o Terminal Rodoviário. Vai ficar muito bom. Desde a XV até a Pedro I. O preço da passagem diminuiu porque vai ser sistema de roleta, bairro a bairro. A rodoviária também está na promessa. Estamos esperando. Collor continua viajando sempre. Já fez mais de 70 viagens, mas melhorar o Brasil, nada. A Zélia caiu, a Dorotéa Werneck voltou. Agora ela está fazendo propaganda pela TV que vai implantar um sistema de creche-escola tempo integral para o Brasil todo (???), onde os adolescentes trabalharão de dia e estudarão à noite. Assistência à mãe gestante etc. Etc, etc. Ele colocou até o modelo das creches (vai construir). São Lindas, mas quem acredita? Tata, vou parar, não sei se você está gostando das abóbrinhas (em parte). Quero assegurar-lhe toda a minha unidade. A você e a todas as meninas. Muitos abraços e beijos e a benção de sua mamãe. Sábado, 8 horas da manhã. Está um dia maravilhoso, o céu muito azul, muito sol, pouco frio. Este ano o inverno está bem fraco. Menos pior. Gigi fez almoço durante esta semana para que eu pudesse participar da Mariápolis. A lavadeira faltou segunda-feira e a Clara colaborou muito lavando bastante para mim. O livro de canções está em forma de espiral, uma jóia.

Comentários

Cacá disse…
Como a mamãe amava a Chiara!!!! Graças a Deus que pude levá-la conhecer a capela onde Chiara foi sepultada, conhecer a sala de reuniões dela ... Tenho certeza que a mamãe teve uma vida maravilhosa por ter conhecido esse movimento, e ter se empenhado tanto em viver a mensagem do Evangelho inspirada por Chiara. Saudades ... Saudades ...

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990