17 de julho de 1991, quarta-feira

Tata muitíssimo querida, um abraço enorme para você. Peço-lhe mil desculpas pelo atraso da resposta. Tudo bem com você? Espero que sim. Não sei se já agradeci os presentes, mas renovo os agradecimentos. Estou usando a meia de nylon (não a elástica, é pequena, para mim tem que ser maior) e estou adorando. É ótima. Agora é que vou dar notícias à viagem de Manaus (antes tarde do que nunca). Wilson, Ana, Enzo, Gabriel, Silvia (empregada), Marcos, Maria Helena, Gi e Clara foram ao aeroporto. Fomos no carro do Marcos. Lá, uma perua nos apanhou no caminho (uma gentileza do aeroporto) e nos levou até chegar ao aeroporto. Gi levou um belo tombo lá dentro, com o Gabriel no colo. Felizmente, não foi nada. Tomamos o avião (Varig) às 10,30 e chegamos às 13,30 (hora de Manaus – 1 hora menos que São Paulo). A Lourdes e o Dimas estavam nos esperando e o Diminhas também. A Lourdes chorava muito e até pediu para entrar onde estávamos para abraçar a 'mãe' dela. Foi emocionante. Choveu bastante até chegarmos na casa deles. É uma casa muito bonita. Nova. Só que o calor é intenso e dormíamos todas as noites com o ar condicionado ligado. Não pudemos passear muito. Fiquei com um pouco de flebite e fiz repouso 10 dias. A Lourdes cuidou de mim como uma filha. Assim mesmo deu para fazer alguns passeios. Fomos na Zona Franca para fazer compras e compramos um 'vídeo K7' para o Wilson. E mais algumas coisinhas . Conhecemos o Teatro de Manaus. É MARAVILHOSO. Não é Brasil. É da época da borracha. Tudo importado da Europa. Conhecemos o Rio Negro, que também não parece rio. Parece mar. Mas Manaus é feia. Ela cresceu muito depois da Zona Franca, mas desordenada. Muitas pessoas com feições indígenas, tanto o pessoal que trabalha no comércio, quanto andando também pelas ruas. Vimos também as palafitas, casas pobres construídas na água. A diferença social parece ser bastante grande. O irmão da Lourdes é médico e cuidou gentilmente de mim. Nos levou também para conhecer Manaus todinha. Um domingo inteiro. Gostamos demais dele. Adoramos a viagem de avião, quase 4 horas. Lembrei demais de você no avião. Até ganhei algumas lembranças da comissária de bordo. Aconteceu algo muito interessante no avião. Fomos visitar a cabine de comando e um dos aviadores (2) disse para o seu pai: “Parece que conheço o senhor”. E por várias vezes fez essa afirmação. Então eu disse: “Será que o senhor já foi alguma vez no Mirante, em Piracicaba?” Ele respondeu que sim. Então eu disse: “Olha marido, você está sendo reconhecido a 14 mil metros de altura". É demais isso. E achamos muita graça nisso. Na volta, saímos às 4,15 da tarde e pudemos ver o por do sol – maravilhoso, e à noite, as cidades como se fossem tapetes de pedras preciosas. O avião já estava descendo e eu nem me importava com o cinto de segurança tamanha felicidade de ver as cidades à noite. Um detalhe de nossa viagem a Manaus. Fomos num colégio conhecer uma freira amiga da Lourdes e a freira que nos anunciou à Irmã, disse a ela que tinha um casal de estrangeiros. Em Manaus não se vê pessoas claras de olhos azuis. Adoramos as frutas (cupuaçu), o peixe etc. Lembrei-me muito da menina que está com você e é do Amazonas. Conheci uma gen (não me lembro o nome dela) que anda de moto. Já foi várias vezes ao Centro Mariápolis. Fui fazer visita ao Focolare feminino. A responsável chama-se Elma. Mas é de Manaus mesmo. É uma casa muuuito grande e tem um quiosque no quintal que abriga 100 pessoas. Às vezes fazem colegamento lá. Conversei com uma focolarina muito simples que me contou que viaja também naqueles naviozinhos e vai até uma cidade próxima onde o Movimento está progredindo muito. Mas haja distância. Ela sai às 6 da tarde e chega às 13,30 do dia seguinte. Dorme na rede. O naviozinho não tem parede dos lados. É totalmente aberto. Ela diz que sempre viaja limpa o navio e já matou até rato. As focolarinas são focolarinas em todas as partes do mundo. Nós fomos no porto e conhecemos a pobreza desses navios. Tem cidades que demora 6 dias para chegar. Descansamos alguns dias em Pira e fomos para Capitólio. O Wilson veio nos buscar. Fomos conhecer o apartamento dele e ficamos lá 1 semana. Depois voltamos com ele e a Ana e aí eles dois foram passear em Campos do Jordão. Os meninos ficaram com a Silvia na casa da dona Evanilde. O Enzo é muito sapeca. É terrível. Eu mandei ele erguer os brinquedos do chão, ele não me atendeu, a mãe insistiu com ele e então ele simulava que erguia e colocava na caixa (de mentirinha). Fazia de conta e olhava para mim. Veja que sobrinho danado que você tem. Fala no telefone como gente grande. O Gabriel é uma graça. Chutou bola comigo, que eu fiquei encantada. Fomos lá também para comemorar o aniversário do Enzo (forçar para comemorar) com 2 meses de atraso. Pedi para a Ana não fazer mais isso, não tem graça. Fizemos um passeio muito bonito, fomos até o Morro do Chapéu. Só que eu, seu pai, a Ana e o Gabriel não fomos até em cima do Chapéu. Tinha que andar um pedaço a pé. Mas fomos de caminhonete até lá perto. É maravilhoso! Mas a estrada tem trechos perigosos. Tata, agora já é mais de meia noite. Um beijão e amanhã, se a Providência permitir, começo outra carta. Assuntos mil. Beijos mil, mamãe. Deus te abençoe. Tivemos eclipse total do sol, mas visível 100% só em Tefé, no Amazonas. Para Tefé, foram cientistas de várias partes do mundo, nós vimos pela TV. Aqui em Pira, vimos uma parte. Muito belo. Tchau, Tata, até mais, prometo escrever com mais frequência. Desculpe muito por ter falado que a gente iria para aí, mas o serviço da Clara não saiu e o Gordo vai construir. Mas a esperança está de pé, confiando no Senhor. O Gordo mandou a gente ir guardando o dinheiro que puder. Quem sabe, é uma esperança. Abraços a todas as meninas e a benção a todas de uma mãe brasileira. Tchau a tutti (tá certo?). Tata, peço-lhe mil desculpas por escrever em papel de caderno. Beijos, mamãe. (Continua....)

Comentários

Cacá disse…
Aí mana querida!!! Ela se empenhou tanto e eles foram para lá!!! Foi uma viagem inesquecível ... Estávamos todos apreensivos e de repente ela telefona e conta que foi na cabine do avião e papai foi reconhecido!!! Foi demais!!!! Delícia ler todos esses detalhes!!! Obrigada Tata por guardar essas relíquias ... ❤️❤️❤️
Ude disse…
Clara, se todo mundo fosse como vc, que comenta as cartas.... Não é por nada não, mas dá uma força ler os comentários pq a gente sabe que as pessoas leem.... bjs e obrigada!
Tata disse…
Bom, acho que a mamãe não iria se importar de ver suas cartas serem expostas né? Aliás, ela sempre escreveu muito bem, sempre vendo o lado bom das coisas, otimista, e viveu intensamente a vida, aproveitando ao máximo para transmitir a sua alegria...
Unknown disse…
😘❤️e eu sempre " perigosa " com as criancinhas.....kkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990