Sem data

Tata querida e maravilhosa, boa tarde! (Também maravilhosas todas as meninas do Focolare que estão no mesmo empenho!). Hoje é domingo, são 16h50, horário de verão. Uma tarde cheia de sol e calor. Seu pai está no quintal. Clara lavando roupas, pois estamos sem ajudante. Ude foi almoçar fora. Graças a Deus, tudo bem aqui. O mesmo desejo a você e a todas . Hoje almoçamos estrogonofe de frango, estava uma delícia. E suco de cerejas, porque o pé está carregado. Pensei em escrever essa carta como se estivesse aí com você, como uma visita. Desculpe se não for igual. Hoje tia Linda de São Paulo e o marido dela estiveram aqui para nos convidar para as Bodas de Ouro deles. Será no dia 27 de dezembro, em São Paulo. Inclusive os casados. Ficamos muitos felizes com o convite. Até o convite é lindo, todo em dourado, até o nome do seu pai. Nas suas orações, lembre de pedir por eles. Também tia Geja e tio Tola irão comemorar as Bodas de Ouro no dia 20 de dezembro. Não esqueça deles. Tata, essa semana eu tive uma surpresa muito linda. Posso dizer uma experiência. Vou tentar contá-la. Segunda-feira eu acordei cedo e fiz uma meditação com um livro velho de canções da Mariápolis. Cantei quase todas as músicas (com o pensamento) no banheiro. Fiquei meia hora. Em seguida, fui chamar a Ude para ir trabalhar. Quase perco a hora de chamá-la, pois ela entra às 07h no banco. Depois fui ajudar a limpar a igreja, como fazemos todas as segundas-feiras, das 06h30 às 08h. Aí fui lavar roupas e lavei até 15 pra uma da tarde. Entrei e completei o almoço para eu e a Ude. Depois fui rezar o terço na d. Maria, a mãe da Neusa. Você sabe que eu, ela e a d. Matilde rezamos todos os dias. A dona Matilde gosta demais de contar os casos da vida dela, que são excelentes. Mas eu quase sempre perco a paciência achando que demora muito. Mas nesse dia, depois de eu ter dito (como faço sempre) que estou com pressa, pensei: “Mas eu devo amá-la e ouvir com amor tudo o que ela tem pra contar”. E o terço prolongou-se bastante (eu não tinha arrumado nem as camas, não tinha feito nada na casa, nem a cozinha; estava tudo por fazer). Antes de eu sair, a d. Maria me pegou pelo ombro e disse: “Mariana, não vá embora. Fique aqui comigo, eu quero conversar com você”. Eu pensei: “Também aqui devo amá-la. Vou ficar porque ela está querendo que eu fique”. Conversamos bastante. Aliás, foi ela que falou mais. Ela estava angustiada e queria alguém para ouvi-la. Quando notei que ela já estava bem, despedi-me e voltei para casa. Abri a porta e estava com muita vontade de tomar um lanche, mas pensei: “Vou oferecer para Nossa Senhora, depois eu tomo o lanche. Vou arrumar primeiro o quarto da Clara”. Mas quando abri a porta, o quarto estava arrumado. Vou ao quarto da Ude, idem. Chego na cozinha, a cozinha arrumada. E não tinha ninguém em casa. Então eu pensei: “Acho que foi o Willians que fez tudo isso e depois saiu”. Dito e feito. Quando ele chegou, fui correndo agradecê-lo e ele me falou: “Hoje eu cheguei muito cedo (14h15) e você não estava, resolvi fazer tudo isso (todos os dias ele chega mais ou menos 4 da tarde). Então, quando cheguei e vi tudo aquilo, pensei: “O Evangelho é verdadeiro. Um presente tão insignificante para Jesus e essa resposta maravilhosa. Eu estou contando isso porque eu não sou nada atenta à vivência da Palavra. Então Jesus nos dá essas oportunidades para a gente procurar viver melhor a Palavra de Vida”. Hoje o Wilson ligou e estava muito feliz porque a Ana e os meninos estão na fazenda com ele. Ela também estava fazendo estrogonofe, só que de carne de boi. Marcos também ligou e nós pudemos falar com o Breno e a Marina. É uma delícia falar com os netos. Eles iam à prainha em Avaré, que está sendo inaugurada hoje, ela é particular da Holambra II. O Wilson já começou o plantio na fazenda, só que choveu muito esses dias, ele tem que esperar um pouco. Marcos começa a plantar bananas (no sítio da Holambra) no dia 19 deste. Gigi ligou ontem e contou que o coral da Faculdade cantou em muitos lugares, principalmente na periferia de Jaboticabal. Eu fiquei sabendo de uma viola feita pelo sr. Jose Delamatrice, aquele senhor que fabrica violinos. Foi o sr. Waldir que me indicou. A Gi diz que os instrumentos dele não são muito bons. Mas ela vai ver, quem sabe dá certo. O Brasil continua na mesma, pior que o Sarney. Desculpe muito não ter tantas notícias variadas, mas foi uma visitinha que eu quis fazer pra você. Sempre estou atrasada em relação ao horário seu. Por exemplo, de manhã, quando vou pedir pela família, aí já é uma da tarde. À noite, você já está quase na hora de acordar, mas não me esqueço nunca. Envio-lhe muitos abraços e beijos – a você e a todas as meninas. E todas as brasileiras. Deus te abençoe, Mamãe. Tata, ouvi uma frase no rádio outro dia que tem me ajudado muito: “A vontade de Deus é o meu paraíso”.

Comentários

Cacá disse…
❤️❤️❤️
Anônimo disse…
��������������������
Essas cartas são uma viagem no tempo, amando cada palavra
Renata disse…
Preocupação com notícias variadas? Como assim? ❤️

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990