Meia perdida

Dizem que a vida começa aos 40. Tá bom. Então eu estou engatinhando, mas não ando gostando muito do chão no qual venho me arrastando. Tudo bem que na faixa dos 40 a gente consegue resolver problemas (e fugir deles) com mais facilidade e não fazemos tanto drama diante de coisas pequenas. Mas confesso que ser mulher não é nada fácil, seja nos vinte, nos trinta ou nos quarenta. Quarenta. Essa palavra nunca foi tão pesada e acho que muito desse peso é porque a gente já deveria estar estabilizada nos 40. Economica, social, espiritual e emocionalmente falando. Será que é possível? Deve ter um monte de mulher nos 40 que já não se preocupa muito, por exemplo, com as coisas de caixa e de coração. Pois eu não me encaixo. A caixa tá sempre vazia e o coração, sempre cheio. Se fosse o contrário - caixa cheia e coração vazio - será que eu estaria reclamando? O que vale mais? Ah, lembrei, vale mais um pássaro na mão do que dois voando. Quanto ditado inútil. O que vale mesmo é a gente acordar às 4 da matina, numa madrugada gelada, e ouvir lá do quarto do filho: "Manhê, perdi uma meia". É pra isso que a gente vive, não é? Pra procurar as meias perdidas de nossos garotinhos..... E não dá nem pra reclamar..... Eu gosto de procurar meinhas.....

Comentários

Anônimo disse…
Adorei! Bom finde, cheio de meinhas!! bjo

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990