Sepulcro caiado

Será que a gente conhece realmente as pessoas que nos cercam? Será que dá pra confiar nos confiáveis? Porque o ser humano é capaz de surpreender a cada dia. E não precisa ser alguém que não seja tão próximo. Pode ser um marido, um filho, o melhor amigo. Cada dia tenho mais a certeza de que o homem é imprevisível. E me incluo nisso. Eu mesma tenho os meus rompantes, faço coisas que não faria e digo coisas que pensava que nunca diria. Mas que enche viver remando, remando, remando.... pra uma pessoa, uma única pessoa, detonar a ralação de uma vida. Eu não gosto, mas admito que o "Cria fama, deita na cama" é o mais verdadeiro ditado que conheço. Mas ainda assim defendo que a gente tem que ser o que é. Aqui, lá, acolá. Fazer tipo não é comigo, acho coisa de gente sem personalidade. Porque o que a gente é um dia aparece, ô se aparece. O que vale é deitar na cama com a consciência tranquila. Porque defeito todos têm. A sabedoria é assumí-los e não dar uma "sepulcro caiado".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990