Confiança

Com a vida do jeito que anda, uma correria total, não presto atenção em algumas coisas e passo batido por várias. Minha saúde é uma delas. E eu só lembro de agradecer por minha saúde quando ela sai pra dar umas voltinhas. Pois é. Fiquei com uma baita virose, daquelas de baquear mesmo, que deixam a gente se sentindo um trapo. Sem entrar em detalhes desagradáveis, me senti desintegrando, mal pra burro. Não tinha vontade de nada, nem de água. Fui ao hospital, tomei um sorinho básico e não melhorei. Minha melhora só veio depois que fui ao meu médico. E percebi que na vida td é questão de confiança. Quando pequenos, nada é difícil, pois confiamos nos pais. Na escola, td fica tranquilo qdo confiamos nos professores e a adolescência não é tão pesada quando temos amigos em quem podemos confiar. E assim vai, td na base da confiança. Por isso que quando somos traídos, parece que o mundo acabou. Porque a confiança quebrada é uma dor só. Então, fui ao médico, parece que sarei dentro do consultório. Coisa louca essa. A mesma confiança que almejo tanto encontrei no meu marido. Não tenho medo de nada quando estou com ele. Engraçado isso. Em mtas ocasiões nem eu, nem ele, ninguém, podia fazer nada. Mas se ele não estivesse comigo, surtaria. E eu mal, mal pra caramba no sábado, tava segura com ele ali, ao meu lado. Quando saiu um minuto do quarto do hospital, eu já comecei a transpirar. Cadê ele??? E lá vem o meu salvador. O Márcio é meu ponto de equilíbrio. Ele é calmo, tranquilo, sereno. E eu, espaçosa, vou invadindo..... Quando extrapolo, ele vem com toda calma do mundo e me diz - mas com toda calma do mundo mesmo - o que está demais. E assim vamos levando a vida. Na base do amor, do carinho, da amizade e da confiança. E aí me lembrei de um papo que tive com o Gico.
- Mamãe, todo mundo que a gente conhece é do bem?
- Não sei, filho. A gente não sabe o que se passa no coração das pessoas.
- Mas como eu vou saber quem é do bem e quem é do mal?
- Olha, não é do bem quem pedir pra vc não contar algo pro papai e pra mamãe. Alguém que quiser te levar pra algum lugar sem os outros saberem, essas coisas.

Terrível falar isso pra um filho de seis anos. Como explicar em que se pode ou não confiar? Nem eu sei, às vezes quebro a cara. Aí me lembrei de dizer:
- Filho, vc vai aprender sozinho em quem confiar. Porque, de verdade, a gente sente quem é bom ou ruim, basta a forma como a pessoa olha ou fala com a gente.
- Eu acho que não conheço ninguém que não seja do bem.

E agora???? É rezar e pedir pra Deus que dê a ele um bom "olho". E não descuidar, mas sem prender. É confiar em Deus.

Comentários

Anônimo disse…
luEssa internet me mata. Consigo ler suas atualizações, mas não consigo postar os comentários... ou então quando entro e coloco os comentários, dá aquela mensagem horrível: erro na página!!! Até que uma hora consegui... paciência é a palavra-chave.
Adorei que vc postou coisas novas. A foto do Giovanni meditando está paa lá de engraçada. Mt linda mesmo!
É uma pena que tenha pego virose justo nas suas férias...
Mas Ude, que sensibilidade a sua para escrever sobre confiança. Achei muito sensível mesmo...
Estamos esperando vc pela redação, para alegrar o ambiente.
Muitas saudades!

Rodrigo Alves
www.dandonota.wordpress.com
Fátima Lopez disse…
Ude!!!! Amiga querida, tenho sentido muita falta de vc. Vê se aparece no msn para conversarmos!
bjks
Fátima Lopez

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990