Meu pai


Já perdi muita gente que amei. Perdi tios, tias, primos, pessoas do meu convívio, queridas, que me doeram o coração. Mas eu nunca havia perdido uma pessoa essencial na vida, como meu pai. Eu achava que sofreria quando perdesse alguém tão tão amado. Mas eu não tinha a dimensão da dor. É uma dor doída demais, é física. Dá um aperto no peito, uma falta de ar e uma angústia, tudo ao mesmo tempo e tudo rápido se a gente deixar e colocar pra fora. Na véspera de Natal eu segurei. Fui brava. Passei o dia de Natal segurando. Fui forte. Mas ao colocar a cabeça no travesseiro, após um dia em família sem ele, eu desabei. Chorei doído. Levantei, fui ao banheiro e dei vazão a todo sentimento reprimido. E fiquei pensando nele. No jeito dele, na fala, no olhar, nas óperas que ele amava e gravava, no São Paulo. Assistir jogo do São Paulo dói. Mas eu assisto por ele. Uma vez eu vi o padre Fábio de Mello (ô homem bonito!!!!) dizendo que quando perdemos alguém amado, temos até que viver um pouco por quem não vive mais na Terra. Então eu vejo os jogos do São Paulo como um tributo ao meu pai. Ao meu pai tão amado, tão doce, tão lutador, tão exemplar. Ontem, conversando com minha irmão Tali, lembramos de quando éramos pequenas e meu pai era bravo. Tadinho. Ele teve que se fazer de bravo a vida toda pra colocar no rumo certo os 8 filhos. Mas adulto, virou o que era. Meu pai era um anjo. A morte com certeza o fez voltar ao que era. Um anjo que Deus emprestou pra gente e que não fez mais que o bem. Do jeito dele, da forma dele. E como eu sinto falta de dizer PAI... Paiê..... Que palavra doce na minha boca......

Comentários

Willians disse…
Minha mulher fez, assim que viu o sofrimento que todos nós enfrentávamos após a morte de nosso pai, um comentário que me marcou: "Quando morrem, as pessoas que amamos saltam para dentro da gente".
E é dentro de mim, e de cada um de nós que nosso pai continua vivendo. O que é mais enriquecedor é o fato de não termos do que perdoá-lo, já que ele - sem qualquer vaidade, sempre deu o máximo que podia, sem reclamar nem se queixar.
Grande pai.
Saudades.
Abraços a todos
MARCELA BENVEGNU disse…
Vc continua vendo o jogo do São Paulo por ele... E ele continua vendo o jogo da vida de todos aqui...
Saudade Udeca.
MARCELA BENVEGNU disse…
Udeca,
Vc está de férias e abandonou o blog. Num podeeeeeee. bj
Anônimo disse…
É! Num pode!!!
Tanta saudade de vc, U, taaaanta... Como q se tira férias BEM nessa hora, cooomo?
Beijos, amore, curta bastante!!!
Pa
Anônimo disse…
Anônimo não: Patrícia.
Correção do posto anterior: se = cê (no nosso bom e culto idioma nativo)!
E, Ude, mudei de casa. Agora o nhem-nhem-nhem rola aqui ó: http://caipirapolita.blogspot.com
beijos!!! I love youuuuu
Maria Aparecida disse…
Bom, não sei se assusta alguém, mas eu vô dizer como eu ainda "convivo" com Papai. Estava precisando resolver uma coisa impossível, de trocar a data de uma passagem aérea sem ônus. Eu e mais 3 pessoas que se prontificaram, gastamos horas, tanto no telefone, quanto na internet. Um dia, estava resolvida a pagar masi de 200 reais pra mudar a data, quando saí para a lan house. Disse a ele: "Pai, desculpe se eu sempre lhe peço coisas impossíveis, mas me ajuda a trocar essa passagem?" Poucos minutos depois, me informei na lan house como imprimir e, quando entrei no site, as janelas começaram a se abrir - tudo o que antes dava erro! e instantaneamente li: "Sua alteração foi realizada com sucesso". "Pai, brigada..." que alegria indizível...
Ando por aí... disse…
Grande sujeito o Seu Willians...

Postagens mais visitadas deste blog

Viva mesmo após a morte

09 de novembro de 1989

08 de agosto de 1990